Let’s play Holi!!!

Nesta última quarta-feira, dia 27 de março, foi feriado aqui na Índia, para celebrarmos o HOLI, através das cores, pintando as pessoas. Essa data trata-se da comemoração do início da primavera.

Há maiores informações aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Holi

Eu e mais 04 ‘gringas’, todas estagiárias que vieram para a Índia através da AIESEC, decidimos ir para uma fazenda, que pertence ao dono da empresa que minha amiga mexicana trabalha.

Abaixo foto do nosso anfitrião muito louco:

Imagem

Fomos muito bem recepcionadas, pois aqui na Índia há uma grande preocupação em como os hóspedes são tratados. Para isso eles têm a seguinte frase em híndi: “Atithi devo Bhava!” que significa que o hóspede é como um Deus para eles!

Tinha bebidas (Whisky, vodka, refrigerantes…) comidas e tintas de graça!!! Nós, as estagiárias pobres, ficamos super felizes quando percebemos isso…rs

Os indianos queriam que bebêssemos Whisky e vodca, mas como quem me conhece sabe, eu não bebo bebida alcoólica, apenas porque não gosto do sabor, dessa forma tive que contar uma mentirinha para eles: “Desculpa, mas eu não bebo, a minha religião não permite”…essa foi a melhor saída, tendo em vista que eles respeitam muito tudo a ligado à religião, daí pararam de ficar me perturbando.

Além disso, teve um momento da festa que eu tive que dar um “chilique”, pois os indianos queriam nos dar banho de tinta, porque não bastava estarmos parecendo umas mendigas, cobertas com tintas coloridas, eles queriam que ficássemos assim:

Imagem

Daí depois do meu “chilique” eles pararam de tentar nos puxar para o local que eles estavam tomando banho de tinta.

Foi muito legal a experiência, mesmo que eu ainda esteja um pouco Pink (sim, as cores demoram cerca de uns 03 dias para sair totalmente do corpo)!

A comida que foi servida foi preparada no estilo indiano tradicional, conforme podem observar abaixo:

Imagem

Uma dica é NÃO ficar assistindo o jeito que eles cozinham, pois senão você não terá coragem de comer nada!

Uma frase que todos os estrangeiros daqui falam é: “Se você conseguir ficar na Índia mais de 06 meses e não passar mal do estômago, você nunca mais ficará doente na sua vida”….hahahaha.

Anúncios

Pool Party!

Quando falamos de Festa na piscina pensamos em um evento onde as pessoas estarão tomando cerveja, comendo churrasco e com roupas de banho, correto?

Pois então, aqui na Índia é MUITO diferente.

Neste último domingo estive em uma festa dessas, na piscina de um hotel muito chique da cidade.

Nós estrangeiros sempre somos chamados para essas festas, pois com a nossa presença o evento fica muito mais divertido, modéstia a parte.

Não pagamos para entrar, mas para isso o nosso nome precisa estar na lista, fato que não é difícil, pois sempre há um indiano rico que conhece um gringo, e este chama o resto da “gringaiada”…rs.

Abaixo segue uma foto do “grande” evento:

Imagem

Conforme podem observar, os indianos entram na piscina de roupa! Com calça jeans e tudo.

Não são todos os indianos que frequentam essas festas. Dava para conferir de longe que os que estavam presentes possuem uma boa situação financeira, pelo estilo que eles se vestiam.

O som que tocou durante a festa foi de música internacional, totalmente americana, além de muita música eletrônica.

Há cerveja, destilados e refrigerantes para vender, porém as pessoas não ficam tomando bebidas com a velocidade que nós brasileiros tomamos em uma festa na piscina.

Pelo que percebi é um evento para eles se exibirem entre eles, mostrando o quanto “cool” eles são.

Uma das coisas mais interessantes é que além dos indianos ficarem observando o nosso grupo dos “gringos” (estávamos em sete pessoas), os que tinham celular tiraram fotos de nós, como se fossemos uma atração, tendo em vista que havia algumas meninas do nosso grupo de biquíni.

Antes que me perguntem: Não, eu não entrei na piscina, pois como minha família sabe, eu não sou muito fã desse tipo de atividade.

Foreigners Registration Office – Registro

Aqui na Índia se você for ficar mais de 180 dias no País você precisa se registrar em um departamento do governo indiano, independente do tipo de visto que você possui.

Sendo assim, nesta segunda-feira estive nesse local, para realizar esse procedimento.

Graças a Deus o meu Manager da AIESEC estava conosco (pois fui eu e a Dafne, uma mexicana que mora comigo). Falo isso pois, por incrível que pareça, os atendentes desse setor não falam inglês direito.

Se vocês reclamam do setor público no Brasil, é porque não viram o da Índia!

Eles são super desorganizados, mandam nós preenchermos inúmeros documentos e fazem exigências desnecessárias.

Como uma imagem vale mais que mil palavras, na foto que tiramos desse departamento vocês entenderão o que estou falando:

Imagem

Informações importantes para quem precisar realizar o registro:

  • Traga para a Índia pelo menos 04 fotos do tamanho 5X5;
  • Você precisará apresentar 04 fotocópias do seu Passaporte, porém precisa que seja tirada com o carimbo de entrada no País, sendo assim, será necessário tirar as fotocópias aqui; e,
  • Esse registro precisa ser realizado em até quinze dias após a sua chegada à Índia, pois caso negativo você precisará pagar o equivalente a 30 dólares para o governo indiano.

Passeio de elefante

Vir para a Índia e não andar em um elefante é a mesma coisa que viajar para o Rio de Janeiro e não ir ao Cristo Redentor.

Sendo assim não perdi tempo, pois neste meu primeiro domingo de folga levantei bem cedinho e já fui realizar esse passeio. =)

Imagem

Para quem me conhece sabe que eu não sou muito fã de programas ‘turistão’, e que sou muito mais a favor de realizarmos passeios que não tenham aquele bando de europeus, japoneses e americanos, com suas meias até o joelho, chapéus e máquinas fotográficas nas mãos, mas mesmo assim admito que o passeio foi bacana.

O trajeto dura cerca de 15 minutos, custa 900 rúpias, e cabe até duas pessoas em cima do elefante, dessa forma gastei 450 rúpias, pois a Dafne que mora comigo foi junto (cerca de R$ 18,00).

Quando estamos em cima do elefante vários indianos ficam tirando fotos nossas, para vender depois. TODAS as fotos ficaram lindas, mas eles cobram um preço muito alto. Eles começam te oferecendo todas as fotos por 2 mil rúpias, e você tem que mostrar que não está interessado, pois daí eles vão baixando o valor. Eu não comprei, mas a Dafne quis, e acabou pagando 800 rúpias por 10 fotos.

Para as pessoas que acham que eles judiam dos animais: foi me informado, pelo indiano que estava nos acompanhando, que cada elefante fica no máximo 2 horas realizando esse trajeto, e que no auge do verão esses passeios não são feitos, pois isso prejudica a saúde dos elefantes.

Coisas da Índia

Aqui na empresa em que eu trabalho, se eu quero água, chá, lassi, eu apenas tenho que discar um ramal e pedir, pois a empresa possui uma pessoa para atender esses pedidos dos funcionários.

Porém eu tenho o costume de pegar a minha própria água, lavar o meu copo, e por conta disso no meu segundo dia de trabalho eu fui entrar na cozinha para pegar água e esse Senhor que é responsável por servir os funcionários não queria me deixar entrar, e daí derrepente aparece na minha frente a Shilpa, indiana que trabalha na mesa do meu lado (a qual citei em um post anterior), e ela perguntou: “O que você precisa? Pode deixar que ele pega para você tudo o que você precisar, apenas ligue do seu ramal” (tenho a leve impressão que ela me seguiu até a cozinha… ¬¬).

Hoje eu pedi para Shilpa me mostrar como que faz para escrever no computador em híndi e ela disse que não sabe escrever em híndi no computador e nem pelo celular. Ela me informou que normalmente ninguém sabe, pois para aprender eles precisam fazer um curso.

Para minha família não ficar preocupada: Todos da empresa (que se comunicam em inglês) me tratam super bem, sempre me questionam se preciso de algo, se a comida está boa e se eu quero café (pois eu disse no meu primeiro dia de trabalho que eu amo café, daí eles me informaram que tinham café brasileiro…Oba!!!!).

FATOS:

  •  Entender o inglês deles é bem difícil, pois além do sotaque ser muito forte, eles possuem várias palavras que eu nunca tinha escutado antes. Por exemplo, quando eles querem dizer: “Nossa, lá tem muitas pessoas, cerca de 100 mil”, eles falam, “Nossa, lá tem muitas pessoas, cerca de 1 LEKE”. Na primeira vez que escutei eu fiz uma cara de “WTF!?”;
  • A energia do escritório em que trabalho cai todos os dias, de 2 a 4 vezes por dia! Por isso há um sistema de backup, que faz com que os funcionários não percam o que estejam fazendo. Para eles é algo super normal, eles nem olham do lado com aquela cara de “puxa, que droga”, que nós brasileiros normalmente fazemos quando isso acontece com a gente; e,
  • Muitos dos indianos ficam encarando (leia-se ‘admirando’) os estrangeiros de uma forma que faz nos sentirmos como elefantes de circo.