Casamento

Enfim acompanhei do inicio até o meio (já explico o porquê) um tradicional casamento indiano.

A cerimônia ocorreu nesse último sábado, dia 25 de maio, aqui em Jaipur.

Eu cheguei ao evento quase às 22 horas (No verão os convidados costumam chegar mais tarde, por conta de que até às 20 horas é muito quente).

O casamento foi arranjado pelas famílias, e o casal se conheceu quando ficaram noivos, alguns meses antes da festa.

Vou tentar descrever como que foi, porém desde já vale informar que algumas etapas que irei citar variam de casamento para casamento, tendo em vista que tal cerimônia é muito cara, e que a qualidade da festa dependerá de quanto que as famílias podem gastar.

Aqui na Índia o jantar é servido antes do noivo chegar (sim, é o noivo que chega depois da noiva).

Os convidados pegam seus pratos e vão até as áreas das comidas: havia uma área para os pães, uma para saladas, e outra área para as demais comidas.

ImagemImagem

Nesse casamento havia algumas mesas para jantarmos, mas não para todos os convidados, sendo assim, havia muita gente sentada na grama.

Imagem

(Nessa foto vocês podem observar que há apenas mulheres e crianças, pois a maioria das mulheres fica sentada separada dos homens).

Enquanto estávamos jantando ouvimos os fogos de artifício, os quais representam que o noivo está próximo.

Por regra, o noivo tem que chegar montado em cima de um cavalo branco, e a família dele o acompanha, dançando, até a entrada do evento:

ImagemImagem

Enquanto o noivo ainda está em cima do cavalo as pessoas começam a jogar dinheiro sobre ele, como sinal de trazer riqueza para o novo casal (tinha uma pessoa responsável em recolher esse dinheiro no mesmo momento).

É obrigatório que o noivo encoste um bastão na entrada da festa, para que ele possa entrar no evento, tão bem como ter um mini noivo na cerimônia:

ImagemImagem

Ao perguntar o porquê disso, eu recebi a seguinte resposta: “Porque é tradição”.

A parte do ritual foi dentro de um espaço com ar condicionado, e eu assisti apenas o momento o qual os noivos tiram as tradicionais fotos com as famílias e trocam o colar de flores.

Imagem

Infelizmente eu não assisti a cerimônia até o final, pois me informaram que todas as etapas levam entre 3 a 4 horas para serem completadas.

No início eu fiquei mal, pensando: “Eu vim aqui, comi de graça e vou embora sem assistir a principal parte do casamento?”, porém na saída da festa pude perceber que NINGUÉM fica para assistir, além das famílias.

Perguntas que podem ser questionadas:

Quem era esse casal?

A noiva é irmã de um amigo de um amigo meu. Sim, aqui na Índia você pode convidar pessoas para ir ao casamento com você, mesmo que essa pessoa não conheça o casal.

O que eu comprei para eles?

Nada! Pois eu sou pobre! Hahaha…*brincadeira

Eu não comprei, pois estava indo com alguém que havia comprado… =P

Na verdade esse meu amigo não teve tempo de passar em nenhuma loja e adquirir um presente, sendo assim, ele acabou dando dinheiro.

Entretanto, ele me informou que é normal dar pinturas, eletrônicos e objetos de decoração, tão bem como dinheiro, se você é convidado por parte da família da noiva.

Fatores interessantes:

  1. É a família do noivo que deve comprar a roupa para a noiva e vice-versa;
  2. A noiva a partir dessa data morará na casa da família de seu marido;
  3. Eles não precisam, necessariamente, dormir juntos no mesmo dia, mas apenas quando eles acharem que é um bom momento.

Fui informada que esse casamento era de uma família de classe média, e que eles devem ter gasto com TUDO cerca de Dois milhões de rúpias, que equivale a aproximadamente 74 mil reais.

A experiência foi muito legal, e eu super recomendo participar de um evento como este se você tem a cabeça aberta, e está preparado(a) para ver coisas diferentes sem julgar. 🙂

Momento de risada

Estava eu montando minhas apresentações para os clientes quando derrepente a Shilpa me faz a seguinte pergunta: “_Camila, o que é antropologia?”.

Naquele momento eu não fazia idéia da onde ela tinha tirado essa questão, mas tentei responder de forma bem básica.

“_Shilpa, antropologia é o estudo do ser humano, em seu habitat natural. Por exemplo, se eu fosse formada em antropologia eu poderia ir para uma tribo de índios* brasileiros para estudar o dia a dia deles”.

*’índios’ em inglês é ‘indians’, ou seja, a mesma tradução para nos referirmos a ‘indianos’.

Nesse momento ela fez uma cara de assustada e me perguntou: “_Vocês tem indianos no Brasil?”.

A partir daí eu comecei a rir muito…e não conseguia mais explicar para ela a diferença, sendo assim, abri o meu amado Google e digitei, “índios brasileiros”, e essa foto abaixo apareceu:

 Imagem

Sério, eu daria um pedaço do meu mindinho, para ter uma foto da cara que ela fez enquanto fazia as perguntas abaixo:

“_Camila, vocês tem esse tipo de pessoas no Brasil?”.

“_Eles estão por todos os lugares?”.

“_ Se eu for para o Brasil, eu posso ir até eles, e eles não vão me machucar, ou quebrar a minha câmera, por exemplo?”.

“_ Você já esteve com eles?”.

Depois de rir muito, mas muito mesmo, eu juro que com toda a paciência do mundo eu respondi todas essas questões e no final perguntei o porquê ela queria saber sobre esse assunto.

Ela me respondeu que um cliente solicitou uma apresentação de produtos antropológicos e ela não sabia o que poderia encaminhar.

Bom, o que eu aprendi com esse episódio?

Através da surpresa dela ficou mais uma vez evidente que eles não estudam nada da cultura da América latina enquanto estão na escola.

Em outra ocasião, durante uma conversa com indianos de posição superior na empresa em que eu trabalho, eu os questionei o que eles sabiam da história da América Latina (para dar uma maior brecha e não questionar apenas sobre o Brasil), e nem os que já moraram em outros países (Leia-se EUA e Inglaterra) sabiam dizer nada a respeito.

Índia X Brasil

Acho interessante repassar para vocês as semelhanças entre o Brasil e a Índia, as quais estão no site do Desenvolvimento do nosso País:

  • Ambos são países de dimensões continentais e grande população, em desenvolvimento e em fase de abertura econômica;
  • Ambos já consolidaram sua democracia;
  • Ambos enfrentam problemas de pobreza excessiva e má distribuição de renda;
  • Ambos são potências regionais; e,
  • Ambos estão em ascensão.

Portanto, ambos são caracterizados como mercados emergentes com forte poder de atração internacional.

Imagem

Além disso, não podemos deixar de mencionar as características similares da população de ambos os países: No geral as pessoas são muito felizes, adoram dançar, comer bem e serem bons anfitriões.

Por conta disso, os indianos se dão tão bem com os brasileiros.

Uma dica para você que deseja vir para a Índia: nunca diga algo pejorativo, que possa afetar a relação que você tenha com as pessoas daqui, pois você não precisa se apaixonar pelo País, mas apenas respeitar.

Eu, pelo menos, tento dar a minha opinião de uma forma mais amiga, e posso dizer que sinto que ganhei outro lugar no mundo, cheio de pessoas queridas e de lugares tão especiais, que já fazem parte da minha história.

Celular

Esse post foi feito para ajudar àqueles que pretendem vir para a Índia e precisarão de um número daqui.

Para conseguirmos um chip o procedimento é o seguinte:

  • Apresentar o seu passaporte original e uma fotocópia;
  • Apresentar fotocópia do documento de seu registro na casa que você mora na Índia – equivale a um comprovante de endereço que os donos da casa lhe entregarão se você pedir, pois eles precisam informar o Governo da Índia que você está morando na casa deles; e,
  • Uma foto 5X5.

Existem diversas operadoras telefônicas na Índia (mais de 10, conforme imagem abaixo). Eu adquiri o meu chip com a operadora AIRCEL, pois há várias pessoas que eu conheço que utiliza essa operadora e para mim as ligações sairiam mais baratas, tão bem como as mensagens.

Imagem

Todas essas operadoras possuem diversos planos telefônicos, sendo assim, fica a critério de cada um qual escolher. Eu, por exemplo, não utilizo internet no meu celular, dessa forma, adquiri um plano simples.

Aqui também há essa questão de deslocamento, e por isso quando estamos fora da nossa região, nós, meros intercambistas pobres, utilizamos o nosso celular o menos possível, chegando ao ponto de nem atender a chamada…hahaha.

A única coisa ruim é que o celular não começa a funcionar imediatamente. Chega a demorar até dois dias para você conseguir fazer a primeira ligação, após a aquisição do seu número telefônico.

Além disso, se faz necessário realizar uma chamada para a central da companhia, para passar os seus dados (sim, precisamos fazer isso mesmo comprando o cartão em uma loja especializada em vender apenas chip telefônico, e precisamos também preencher um formulário gigante – se o vendedor for gente boa ele fará isso para você).

Fui informada que tais procedimentos servem para garantir a segurança do País, tendo em vista as disputas religiosas que a Índia ainda possui com o Paquistão, fazendo com que diminua organizações de atentados.

Limpeza

Sabe aquela moça da limpeza que nós normalmente reclamamos do serviço dela? Bom, depois de você passar uma temporada na Índia, nunca mais falará nada sobre isto.                                                                                                                                     

Esse serviço aqui na Índia é hilário… Literalmente, dá vontade de rir alto quando as mulheres vem limpar a casa que moramos.

1.°) Elas varrem com essa vassourinha da foto abaixo, a qual se chama Jhadu (uma nova, custa 90 rúpias, o equivalente a R$ 3,50):

Imagem

2.°) Elas normalmente deixam o piso do banheiro molhado, pois para eles deixar molhado significa que está limpo; e,

3.°) Nunca lavam, esfregam e passam pano no chão.

Nós, intercâmbistas, não podemos deixar o quarto destrancado, pois se deixarmos elas entram, sem bater, e param muitas vezes do nosso lado, esperando a gente acordar, para perguntar (em híndi) se podem varrer o quarto – isso já aconteceu comigo duas vezes até agora, e em ambas às vezes eu levei um baita susto quando abri os olhos!

Mas o pior de tudo é que elas não falam inglês, daí a comunicação fica apenas na base do sinal, o que é péssimo!

Caso tenham curiosidade em saber: A minha roupa eu pago para a dona da casa que eu moro lavar na máquina dela – Um balde médio, cheio de roupas, custa 100 rúpias, o equivalente a quatro reais, e as roupas secam em questões de minutos!