Viagem ao Nepal.

Na semana passada estive no Nepal, país vizinho da Índia, e que possui voos saindo de Delhi com duração de menos de duas horas.

Monte Everet ao fundo - chegada ao Nepal. Sempre pedir para sentar ao lado esquerdo do avião, para conseguirem visualizar esta imagem.

Monte Everet ao fundo – chegada ao Nepal. Sempre pedir para sentar ao lado esquerdo do avião, para conseguirem visualizar esta imagem.

Para os indianos visitar o Nepal é algo normal, como se fosse para nós brasileiros ir até o Paraguai. Rs…

Pessoas com a nacionalidade de países participantes do grupo SAARC não precisam de passaporte para entrarem no Nepal, ou seja, os indianos podem viajar para este País apenas com a carteira de identidade.

Já os brasileiros, e vários outras nacionalidades, precisam pagar um valor em dólar, para conseguir o visto na chegada.

A quantia variará de acordo com os dias que deseja ficar no país. No meu caso, visto para 2 a 15 dias, tive que pagar 25 dólares.

Assim que descer do avião e entrar no aeroporto haverá alguns computadores/máquinas, que você precisa ir até os mesmos e realizar um cadastro, mencionando as suas informações, e tirar uma foto através da camera deste equipamento. A máquina emitirá um comprovante o qual você deverá entregar para o oficial do setor de visto, juntamente com o comprovante de pagamento da taxa, que também é paga próximo ao local onde há estas máquinas.

Além da facilidade de entrar no país, os indianos pagam mais barato para visitar os pontos turísticos, e até mesmo para pacotes de passeios turísticos.

Tá, ok…até ai tudo bem, mas o que eu fiquei mais chocada foi com o fato de que para visitar um Templo (Me refiro ao Pashpatinath Temple) em Kathmandu o local cobra um valor de cerca de 10 dólares para estrangeiros e a entrada é de graça para pessoas de países participante do grupo SAARC – e este valor nos dá permissão apenas para visitar ao redor do templo, pois a entrada no mesmo é proibida para estrangeiros, mesmo em caso deste ser casado com alguma pessoa que possua nacionalidade de um país membro do SAARC, e do estrangeiro ter trocado a nacionalidade e ter virado hindu.

Pashpatinath Temple

Pashpatinath Temple

Quando eu e o Dilip fomos “reeinvidicar” a minha entrada, o oficial nos informou que nem a Sonia Gandhi teve permissão de acessar o interior do Templo, e que o marido dela, na época o Primeiro Ministro da Índia, se recusou a entrar no Templo, e foram embora inconformados.

De qualquer forma, Kathmandu foi uma surpresa boa, pois estávamos esperando o pior, tendo em vista os terremotos que ocorreram no ano passado.

Sim, a cidade ainda possui muitos pontos destruídos, e há muita poeira no ar, fato que faz com que alguns habitantes utilizem máscaras o tempo todo.

Centro de Kathmandu

Centro de Kathmandu

Além destes pontos, vale informar que no momento o Nepal está passando por uma crise de abastecimento de petróleo e de botijão de gás, e por consta disto os táxis estavam caros e em muitos restaurantes havia opcões indisponíveis por conta da crise. Mais informações aqui.

Se você não possui muito tempo, mas mesmo assim deseja visitar alguns pontos turísticos, eu aconselho o Golden Temple próximo à Durbar Square em Patan.

IMG_1792

IMG_1743

A Durbar Square em Patan e em Kathmandu (há 3 no total, e todas são consideradas patrimônio da UNESCO):

IMG_7176

E, caso tenha curiosidade, igual a mim, conhecer a Kumari, a qual é considerada entre os hindus e budistas, no Nepal, como uma Deusa, reencarnação de Taleju. Esta foto é de quando a visitei. Ela fica em uma casa bem simples, próxima à Durbar Square de Patan e não havia ninguém, a não ser dois adultos que penso que seja os pais dela, quando nós chegamos para visitá-la.

IMG_1832

Dicas:

O bairro chamado Thamel é cheio de barzinhos e possui uma vida noturna interessante. Vale a pena jantar nesta região, ou passear de tarde, para adquirir souvenir e tomar café.

Um dos barzinhos que visitamos.

Um dos barzinhos que visitamos.

Como na Índia, você precisa pedir desconto em tudo o que for comprar nas ruas: souvenir e até pedir para os táxis cobrar menos.

Se você gosta de Cassinos, dá para visitar alguns em Kathmandu. Escutamos falar que o Casino Mahjong era legal, e passamos por lá para conhecer – em minha opinião ele é bem pequeno e sem muitos atrativos, mas mesmo assim estava lotado. (Curiosidade: não é permitida a entrada de locais, aberto apenas para estrangeiros).

Kathmandu é um Vale, ou seja, há muitas cidades coladas umas nas outras.

trail_map_ktmvalley_big

Infelizmente o meu itinerário foi bem curto, pois não tínhamos muito tempo, sendo assim, ficamos apenas em Kathmandu e fomos para Patan, mas há muito o que visitar no Nepal.

Eu queria muito ter ido para CHANGU NARAYAN (um dos monastérios mais antigos do Nepal), BHAKTAPUR (conhecida como a cidade dos devotos), POKHARA e NAGARKOT, mas ficará para uma próxima oportunidade. 😉

Se você pretende viajar ao Nepal, saiba que é tudo muito barato (a cotação de 1 dólar estava 104 rúpias nepalesas) e o país realmente está precisando aumentar o turismo, para melhorar a situação da população.

Anúncios

Medidas de segurança.

Imagine que ao entrar em um shopping, supermercado, hotel ou cinema, você precisa ser revistado, passando por um detector de metais – ou você deve abrir a sua bolsa, para mostrar que não há nenhuma arma escondida.

Pois é…isto é algo comum aqui na Índia.

No começo eu sempre era chamada a atenção, pois esquecia que tinha que aguardar a segurança finalizar de olhar as bolsas das demais pessoas, para verificar a minha. Mas agora esta etapa já virou uma rotina na minha vida, e até acho estranho quando estou no Brasil e não preciso passar por isto…rs.

Imagem obtida no site New indian express.

Imagem obtida no site New indian express.

A preocupação com a segurança é tanta que o governo indiano não permite, por exemplo, entrada no país de pessoas com telefones por satélites, e o registro no Departamento de estrangeiros (FRO) para cidadãos de países que possuem desacordos com a Índia é de apenas 24 horas, enquanto para os demais estrangeiros o prazo é de 14 dias.

Conseguir um SIM card para o seu celular não é algo tão simples, como no Brasil. Aqui as empresas de telefones pedem vários documentos, inclusive uma foto 3X4, e normalmente o número funcionará até uma semana antes de vencer o seu visto. Eu já perdi o meu número uma vez por conta desta regra.

O acesso aos aeroportos são restritos (precisa mostrar a sua passagem emitida para conseguir acessar o aeroporto, próximo ao horário do seu embarque), e para que você consiga acompanhar algum familiar/amigo no check-in você precisará pagar uma taxa e mostrar um documento pessoal para um setor do aeroporto, o qual eles tomam nota das informações que constam no mesmo e lhes entregam um papel que lhe dá acesso ao aeroporto por até 30 minutos.

Dica: Quando se realiza o check-in na Índia, e em países com destino a Índia, perguntem sobre uma etiqueta que é colocada nas bolsas e malas de bordo – falo isto pois já vi atendentes da companhia aérea esquecerem de entregar esta etiqueta para passageiros. Esta etiqueta é carimbada por todos os setores de segurança que você for passar dentro do território indiano, e se esta etiqueta não estiver carimbada você poderá ter problemas para entrar no avião.

Esta preocupação dos indianos cresceu após o atentado em Mumbai, em 2008. Neste link há todas as informações sobre esta tragédia.

Dias atrás eu li uma matéria do Estadão (aqui), que mostrava que a Índia se encontra na 6° posição entre os 25 países mais afetados pelo terrorismo – isto ocorre devido as tragédias que ainda acontecem na divisa entre a Índia e o Paquistão.

O festival mais importante na Índia!

Na semana passada aconteceu o festival mais importante da Índia: Diwali.

Eu já falei sobre o mesmo no Blog Brasileiras pelo mundo – se ainda não conferiu é só clicar aqui.

Agora eu resolvi contar para vocês como que funciona este período, em termos de negócios, pois este feriado seria para nós o equivalente a semana entre os dias 24 Dezembro a 02 de Janeiro, no Brasil.

Durante o Diwali praticamente tudo para.

São 5 dias de Festivais, e nestes as fábricas indianas realizam um feriado coletivo, pois a maioria dos funcionários nem aparecem para trabalhar, pois viajam até as suas vilas, para visitar familiares.

Ou seja, neste período você não vai conseguir realizar de forma eficiente nenhum trabalho, se tiver negócios com a Índia.

Agora que eu entendo melhor sobre este feriado, vou resumir para vocês, para não ficarem com nenhuma dúvida o porque são 5 dias sem produtividade:

1º dia: chamado de Dhanteras, é o dia em que as pessoas limpam as casas e há MUITO movimento nas lojas (o trânsito fica mais estressante do que o normal) – é auspicioso adquirir utensílios para a cozinha neste dia.

2º dia: as pessoas chamam de Chhoti Diwali (pequeno Diwali), que é o dia em que os indianos decoram as casas, com luzes, flores e rangoli – vídeo abaixo que mostra um modo de fazer rangoli, porém hoje em dia podemos comprar pronto facilmente, como se fosse um adesivo.

3º dia: Lakshmi Puja é o dia em que os indianos realizam orações para a Deusa Lakshimi. Este é o dia mais comum em que os indianos podem lhe convidar para jantar na casa deles, e durante toda a noite há muitos fogos de artifícios – como se fosse o dia 31 de Dezembro no Brasil.

Lakshmi – the Goddess of Wealth and Prosperity

4º dia: chamado de Bali Pratipada, este dia marca o início do ano novo no calendário Hindu – por isto os fogos de artifício na noite anterior. É normal receber visitas neste dia, e compartilharem doces.

5º dia: Bhaiduj é um dos nomes para o último dia do Festival. Nesta data os irmãos costumam visitar as casas de suas irmãs casadas. Mas também é comum que a irmã visite a casa dos irmãos, quando o número de irmãs é inferior ao de irmãos, pois normalmente os irmãos moram juntos com seus pais.

Se tiverem alguma dúvida sobre este festival, ou alguma história para contar sobre o mesmo escrevam aqui nos comentários! 🙂

Qual é a melhor forma de trazer dinheiro para a Índia?

Esta é uma pergunta que eu já recebi algumas vezes no blog ou por e-mail.

A forma mais fácil e simples é:

  • Traga dólares – esta moeda é super fácil de encontrar na Índia. Eu já consegui encontrar casas de câmbio em umas cidades bem pequenas que visitei, em locais no meio do nada, que eu não poderia imaginar que conseguiria trocar o meu dinheiro.

E lógico que é bom trazer cartão de crédito internacional, desbloqueado – e até cartão de débito do Brasil eu já consegui utilizar aqui em alguns restaurantes, mas o valor que foi descontado da minha conta tinha uma cotação muito menor do que se eu tivesse comprado dólar e trocado na Índia.

Eu desconheço uma casa de câmbio no Brasil que troque reais por rúpias, mas se alguém oferecer para vocês é melhor prestar bastante atenção, pois tanto na Índia, quanto em outros países, eu já vi pessoas recebendo notas falsas.

Isto não é muito diferente por aqui:

Há um conhecido meu que recebeu a moeda antiga do Brasil, ‘cruzado’, quando tentou trocar reais na Índia, com um brasileiro.

Ou seja, venha com dólares que é muito mais garantido.

No aeroporto você deverá trocar um pouco quando chegar, mas procure uma casa de câmbio na cidade que você visitará primeiro, pois conseguirá uma cotação muito melhor.

Ah, e lembre-se de que: na Índia (não sei se em outros países) é comum conseguir uma cotação melhor pelo valor em dólar que você esta trocando, por exemplo, se você trocar 100 dólares conseguirá uma cotação (atualmente) de aproximadamente 63,4 rúpias/dólar, e se trocar acima de 300 dólares eles pagam 64,0. Claro que há um limite de valor, mas é sempre bom pedir uma quantia maior pelo o que eles vão te oferecer.

main-qimg-9b591b5335f42b656c94dba7ce1e890f

Outra dica que eu dou é tomar cuidado ao receber troco dos indianos, em lojas, táxis, até em Hotéis, pois se tiver um pedacinho faltando na nota, ou se ela estiver rasgada, dificilmente você conseguirá utilizar.

Eu já recebi uma vez uma nota assim, e hoje em dia eu fico mais esperta, depois que vi a dificuldade em conseguir comprar qualquer coisa com esta nota – sempre confiro nota por nota quando recebo meu troco.

*Há um Banco especial, do governo, que troca notas rasgadas, mas a fila para isto é tão grande que a melhor forma é ficar mais esperta na hora de receber a nota na sua mão!

E por último, quero contar que na Índia há sim um alto número de notas falsas circulando – notas de 500 e 1000 rúpias – por isto sempre que receberem uma nota destas confiram se:

  1. Há uma imagem do Mahatma Gandhi ao levantar a nota contra a luz, no espaço em branco – em marca d’água;
  2. Procure por uma linha verde que atravessa a nota verticalmente, à esquerda da imagem principal do Gandhi; e,
  3. Haverá na nota o valor da mesma escrito do lado esquerdo, ao lado da imagem em marca d’água do Mahatma Gandhi, se levantar a nota contra a luz.

Nest link do Banco Central da Índia, há mais detalhes, porém estas três dicas acima são as que eu utilizo para conferir.

As músicas indianas mais tocadas no momento

Há várias músicas indianas que quando toca na rádio eu desligo o mesmo, ou mudo para outra estação, contudo há também aquelas que eu gosto, e resolvi compartilhei com vocês as músicas mais tocadas nas rádios indianas nestes últimos meses, que vale a pena conferir:

  • Gulaabo

  • Shaam Shaandaar 

  • Afghan Jalebi

  • Nachan Farrate

  • Lip To Lip

  • Selfie Le Le Re

E você? Acompanha as músicas de Bolywood? Comente aqui qual é a sua preferida! 🙂